Roubos de cargas e de veículos crescem

 

 A exemplo de janeiro, fevereiro registrou forte aumento no número de roubos e furtos de veículos e também de roubos de cargas. Os dados foram divulgados ontem pela SSP (Secretaria da Segurança Pública).

 

Em cargas, o número impressiona. No segundo mês de 2012 foram 21 casos. Já no mesmo período deste ano, 37 ocorrências. O crescimento foi de 76%.

 

O Sindicamp – sindicato da categoria de transporte de cargas em Campinas – informou que tem pedido junto a SSP um olhar especial para esse tipo de caso.

 

Segundo dados do sindicato, se há 10 anos apenas 3% do gasto era com segurança, hoje o valor chega 22% do custo, já que são necessários equipamentos de rastreamento e escolta, em alguns casos.

 

Os roubos e furtos de veículos também cresceram. Ambos totalizaram 907 casos no mês passado ante 762 de fevereiro de 2012 – crescimento de 19%.

 

Procurado pelo Metro, o Comando de Policiamento do Interior - 2 admitiu o crescimento e justificou dizendo que “em uma análise mais aprofundada” a evolução de roubos em 10 anos é bem menor do que o crescimento da frota. O comando, por meio da assessoria de imprensa, afirmou também que, comparado a janeiro, o número caiu – é importante lembrar que o mês de fevereiro tem três dias a menos.

 

Modelo pronto

 

Em Indaiatuba, um modelo de monitoramento tem funcionado e até gerou interesse do Rio de Janeiro para inibir os roubos durante a Copa do Mundo de 2014.

 

Com câmeras de monitoramento e GPS nas viaturas, o sistema permite que um alarme seja disparado sempre que um veículo roubado for detectado pelas imagens, já que, após o boletim de ocorrência, a placa fica registrada no sistema. Câmeras de estabelecimentos comerciais também fazem parte do sistema.

 

Em Campinas, a CIMCamp (Central Integrada de Monitoramento de Campinas) ainda não conta com essa tecnologia, mas está em fase de estudos para a implantação, de acordo com a central. Os responsáveis afirmam que as câmeras hoje já ajudam principalmente a Defesa Civil e o Samu em ocorrências.

 

FONTE: JORNAL METRO DE CAMPINAS

Voltar